quinta-feira, 14 de julho de 2011

Reflexões

por Savitri Devi

Ama, pois, ao homem superior, ao ariano digno desde nome: belo, bom e bravo; responsável; capaz de todos os sacrifícios a fim de cumprir com sua tarefa; ama pois ao ariano sadio e forte. É teu irmão e teu companheiro de armas na luta de tua raça contra as forças da desintegração; seus filhos continuarão esta luta sagrada ao lado dos teus, quando teu corpo haja retornado a seus elementos.

Respeita ao homem de raça nobre, distinta da tua, que leva, em um marco diferente, um combate paralelo ao teu - ao nosso. É teu aliado. É nosso aliado, ainda que esteja no outro extremo do mundo.

Ama a todos os seres vivos, cuja tarefa não oponha-se de nenhuma maneira à tua, à nossa: os homens de coração simples, honestos, sem vaidade e sem malícia, e a todas as feras, porque todas elas são belas, sem exceção, e sem exceção indiferentes a qualquer "idéia". Ama aos animais e sentirás o Eterno no olhar de seus olhos de azeviche, de âmbar ou de esmeralda. Ama também às árvores, às plantas, à água que corre na grama e vai ao mar; ama à montanha, ao deserto, à selva, ao céu imenso, pleno de luz ou de nuvens. porque tudo isso ultrapassa o homem e revela-te o Eterno.

Porém despreza à massa humana de coração vazio, de espírito superficial; à massa egoísta, covarde e pretensiosa, que não vive mais que para seu próprio bem-estar, e para o que o dinheiro pode comprar. Despreza-a, enquanto serves-te dela sempre que possas. Se essa massa humana é de nossa raça, e suficientemente pura, dela podem nascer crianças que, educados por nós quando chege a época em que possamos expressarmo-nos novamente, valerão infinitamente mais que seus pais. Este é o melhor serviço, se não o único que dita massa pode render. Cada vez que um homem de boa raça, alegremente integrado na "sociedade de consumo" te decepcione, pensa que não conta como indivíduo consciente; sabe que somente seu sangue conta. Vê nele o que unicamente considera um criador de cavalos ou cães de raça: seu pedigree. E deixe-o falar: o que ele diga, o que creia pensar, não tem nenhuma importância.

Enquanto ao inimigo dos valores imutáveis, o inimigo da Natureza e da Vida - o que queira sacrificar o mais belo ao menos belo, ou ao francamente feio; o forte ao fraco; o sadio ao sofredor, ao enferno e ao deficiente - ; enquanto àquele que ergue-se, sozinho ou em grupo, contra o Eterno, combata-o com todo o ardor de teu coração, toda a força de teu braço, toda a eficiência de tua inteligência. Não é necessário odiá-lo. Ele segue a sua natureza e cumpre seu destino opondo-se aos valores Eternos. Ele joga seu papel na dança cósmica sem começo nem fim. Porém - precisamente por esta razão - é necessário e inclusive urgente combatê-lo, por todos os meios, sem trégua nem debilidade. Porque ele é um contrário absoluto - nosso contrário e, consequentemente nosso inimigo natural - no implacável jogo das forças.

Combata-o com desapego e com todo teu poder: os Fortes conservam um equilíbrio sereno inclusive no fanatismo mais exaltante. Combata-o mediante a violência, combata-o sem violência, dependendo do caso. Combata-o pensando dia e noite e na oposição que existe entre a missão dele e a tua.


Nenhum comentário:

Postar um comentário