terça-feira, 8 de novembro de 2011

León Degrelle


por Antonio Marques Bessa

Na noite de 8 para 9 de Maio de 1945, enquanto por toda a Europa os Aliados festejam a vitória, um pequeno bimotor Heinkel 111 descola de um aeródromo norueguês, rumo a Espanha. O seu raio de acção fica 200 km aquém do objectivo. A bordo, Léon Degrelle confia que o vento ao menos esteja de feição, e recorda a sua divisa: «Chance Degrelle — Chance Etérnelle.»

Quando o piloto alemão que transportava León Degrelle avistou a praia de San Sebastian, os ponteiros do combustível encontravam-se no zero. Uma subida quase na vertical, para fazer afluir as últimas gotas ao tubo de alimentação, permite mais alguns quilómetros de voo. Depois de um derradeiro voo planado, o avião despenha-se no mar, a poucas dezenas de metros da praia. Para Degrelle, algumas fracturas a juntar à lista impressionante de ferimentos recebidos em combate nada significam; alcançada a terra espanhola, provisoriamente ao abrigo da sanha persecutória dos seus inimigos — que nos anos seguintes vitimará ambos os seus pais (falecidos na prisão) e numerosos companheiros de armas —, recolhidos os seus filhos dos orfanatos para onde tinham sido atirados, a luta não cessou, mesmo num mundo que não é o seu.

Dos principais chefes do lado derrotado na II Guerra Mundial, poucos sobreviveram. Os que escreveram memórias foram frequentemente militares, que não se pretendem herdeiros de ideologias anacrónicas. Os que detinham responsabilidades políticas — e só em muito pequeno número escaparam aos ajustes de contas — fizeram, com maior ou menor sinceridade, acto de contrição das suas actividades passadas. Encontrar, tantos anos depois, uma figura — com um passado político e militar de grande destaque — que permanece impenitente e igual a si própria, sem mudar uma vírgula do seu discurso, rindo-se dos pedidos de extradição e tentativas de rapto, de que continuou a ser objecto durante anos, é um acontecimento raro.

Essa oportunidade é-nos oferecida por um filme em duas partes de Jean-Marie Charlier, editado em cassete de vídeo em França. Encomendado pela cadeia de televisão FR31 — e posto na prateleira sem exibição, na sequência de pressões políticas —, data de 1967 e constitui um documento invulgar, sob a forma de uma extensa entrevista, acompanhada de depoimentos e imagens de arquivo, com Léon Degrelle.

Vivendo em Espanha, aos 84 anos de idade, Degrelle é hoje o último sobrevivente de uma era que se deseja ultrapassada, mas cuja História está apenas meio escrita. A vitalidade e energia patentes no filme são as dos seus 70 anos, mas é, mesmo assim, evidente que estamos perante uma personalidade fora do comum. É das suas experiências na cena política belga e da sua participação na campanha da Rússia que nos fala Degrelle, durante quase duas horas e meia.

O seu discurso não é nem o do observador desapaixonado nem o do propagandista sem princípios. No modo como descreve os acontecimentos, que tão intensamente viveu, existe uma curiosa mistura de entusiasmo, convicção profunda e humor.

Degrelle e o Rexismo

Nascido numa família católica tradicionalista, Degrelle foi o fundador e principal dirigente do Rexismo, movimento político belga, fortemente influenciado pela extrema-direita maurrasiana da vizinha França. Nas décadas que antecedeu a II Guerra Mundial, o Rex teve um impacte considerável, nomeadamente em Maio de 1936, quando o movimento conseguiu eleger vinte e um deputados a nível nacional. Nessa época, no entanto, a imagem do Rexismo era menos a de uma formação extremista que a de um movimento de inspiração patriótica e católica, em luta contra a corrupção económica.

Degrelle tinha exposto na imprensa rexista diversos escândalos financeiros que implicavam figuras conhecidas dos círculos políticos e da própria Igreja. Ouvindo-o falar em 1936 dos casos de mandatos parlamentares e acumulações financeiras ilegítimas que denunciava nos anos trinta, do poder dos banksters e da corrupção da hierarquia católica, fica-se com uma visão necessariamente unilateral dos casos da época, mas adquire-se igualmente a convicção de que a sua indignação é genuína, e os escândalos mais que simples expedientes políticos eleitoralistas. Durante as campanhas eleitorais em que Degrelle recolhia fundos levando a cabo meetings de massas em que o ingresso era pago, o Rexismo havia revelado uma forte implantação no proletariado e pequena burguesia. Em 1937, a Igreja adopta uma posição claramente hostil, proibindo o voto nos rexistas.

A derrota eleitoral que se segue é consequência directa do que os rexistas passam a considerar como a traição da hierarquia católica, e marca o início de um resvalar progressivo dos seus dirigentes para posições cada vez mais identificáveis com as doutrinas de cariz fascista, em ascensão por toda a Europa.

Quando em 10 de Maio de 1940, a Bélgica se vê invadida, Degrelle encontra-se em plena travessia do deserto político. O que não impede o Governo belga de proceder à sua detenção, e de o entregar, juntamente com vários correligionários, às autoridades de um país estrangeiro — a França — a fim de ser internado como um vulgar inimigo. Depois de escapar por pouco ao sinistro episódio de Abbeville — em que 21 detidos políticos são assassinados pelas tropas francesas —, Degrelle inicia um périplo por vinte e duas prisões ao qual sobrevive, apesar de bastante maltratado. Uma vez regressado à Bélgica, é recebido pelo Rei em Agosto de 1940, e é pressionado para fazer equipa com o chefe dos socialistas De Man, ex-ministro do Governo que lhe infligira a derrota eleitoral, agora adepto de uma colaboração com a Alemanha.

Os pactos políticos de conveniência, porém não lhe interessam e, em 1941, quando a Alemanha invade a União Soviética, a sua componente aventurosa e o gosto pela acção directa levam-no a alistar-se na Legião de Voluntários Valões. Hitler envia um telegrama nomeando-o tenente. Recusa a oferta, e é como simples soldado raso «para ganhar os seus direitos» que parte com os primeiros voluntários.



No Inverno russo

A história dos voluntários valões e a da sua própria carreira militar fulgurante, em três anos e meio de campanha na União Soviética, são o tema da segunda parte do filme. Alistado como metralhador de segunda classe, Degrelle conhece os seus primeiros combates na Ucrânia, onde o pequeno batalhão inicial de valões se encontra integrado no Grupo de Exército Sul. Promovido por distinção directamente de cabo a alferes, participa uma e outra vez em acções de combate próximo, de que resultam múltiplos ferimentos, e percorre rapidamente os postos sucessivos, vindo a assumir o comando da unidade depois da morte em combate do seu predecessor Lippert. Em Maio de ‘43, a Legião é transferida para as Waffens-SS, com a designação de «Sturmbrigade» Wallonie, participa repetidamente em acções decisivas, passa a divisão em princípios de ‘45, e nos últimos dias está reduzida a meia dúzia de sobreviventes.

Quando a guerra termina, Degrelle tem a patente de coronel das Waffen-SS, é o único estrangeiro a possuir a cruz de cavaleiro da cruz de ferro com as folhas de carvalho, e é um dos onze únicos detentores da placa de ouro do combate corpo-a-corpo, em todo o Exército alemão.

A sua memória da guerra no Leste é a visão dos acontecimentos de alguém que não só os viveu na violência do combate próximo e na responsabilidade do comando, mas conheceu de perto alguns dos protagonistas históricos que os moldaram. As suas opiniões sobre o desenrolar da guerra na Rússia divergem, por vezes, das versões habitualmente aceites: manifesta, por exemplo, uma forte convicção de que a derrota da ofensiva sobre o saliente soviético de Kursk — uma das batalhas mais importantes de toda a guerra, onde se deram os maiores combates de forças blindadas da História — se deveu ao facto de a espionagem soviética ter tido conhecimento dos planos alemães, uma hipótese verosímil quando se considera a extrema eficácia dos serviços de informação aliados e a importância crucial que a Ultra teve na frente ocidental. É, no entanto, quando Degrelle fala na sua experiência pessoal e directa do inferno de Tcherkassy, na Ucrânia, ou dos últimos combates na Estónia ou na Pomerânia, que as suas palavras suspendem a respiração dos que o querem ouvir.

Imaginar o que terá sido o combate na interminável estepe russa, com equipamentos inadequados para o Inverno, em condições de constante inferioridade numérica, com uma frente da largura de um continente a defender, é em si difícil. Quando se ouve Degrelle descrever os extremos de temperatura da ordem dos 40 graus negativos, a lama — pior que a neve — onde durante o degelo homens, animais e veículos se afundavam, as intermináveis ondas humanas do Exército soviético permanentemente renovadas, contidas em condições desesperadas, apercebemo-nos melhor do carácter apocalíptico dessa luta e do seu significado para os que nela participaram.

Europa e Borgonha

Para Degrelle, o que estava em jogo não eram mais pequenas questões de política local, mas o nascimento de uma Europa de nações solidárias, readquirindo, sob a direcção militar alemã, a importância geopolítica que lhe pertencia de direito próprio. Na reordenação do continente, voltaria a ter lugar uma unificação entre a França e a Alemanha, segundo as linhas do estado medieval formado pelos duques da Borgonha no séc. XV, desaparecido numa conjunção de acidentes dinásticos e desastres militares; através da aspa vermelha em campo de prata dos seus estandartes, o sonho borgonhês esteve presente em todos os combates da brigada Wallonie.

O que teria sido a evolução política de uma Europa aglutinada sob as ideologias antidemocráticas da época, jamais saberemos, mas é talvez importante notar que, mais que o poder de atracção das mesmas, foi o combate anticomunista que fez correr um grande número de voluntários à frente leste. Degrelle é um daqueles para quem ambas as motivações existiram, e as suas palavras não deixam dúvidas disso. O destino da Europa Central e Oriental, na sequência da vitória aliada, no entanto, deveria temperar a nossa tentação de culpabilizar excessivamente os que duvidaram do monopólio aliado da virtude…

Um episódio quase humorístico dá, de resto, a medida do carácter de Degrelle. Tendo descoberto que dois dos seus voluntários, ex-polícias de Bruxelas, mantinham informada a Gestapo sobre os comportamentos dos seus camaradas, faz uma alocução referindo a presença de dois espiões e acrescenta: “Jurai que esses homens estão mortos.” “Juro!”, respondem todos a uma voz. Horas depois, ambos os informadores tinham desaparecido, e sido dados como desertores. Alguns dias mais tarde eram capturados pelas autoridades alemãs…

Hitler

Degrelle menciona as suas reminiscências de algumas das personagens mais misteriosas do III Reich, tais como Himmler e Bormann, mas é quando aborda a personalidade de Hitler que as suas considerações se revestem de um interesse especial. Hitler é, evidentemente, um dos grandes enigmas do século. Na imagem da propaganda do tempo da guerra, era um ex-pintor de paredes, deficiente mental, com anomalias físicas e taras sexuais de última ordem, que chegaram a ser detalhadas numa obra de pseudo-psiquiatria. No pós-guerra, tornou-se um caso menos patológico, mas mais malevolente, um ditador histérico, que não tolerava a mínima oposição e, nos últimos tempos, se encontrava incapacitado, sempre à beira do ataque de fúria, um verdadeiro desastre como estratego militar, responsável por inúmeros insucessos alemães.

Apesar da sua suposta vulgaridade, no entanto, Hitler tem fascinado os biógrafos como poucas outras personalidades do séc. XX. Obras como as de John Toland ou David Irving têm contribuído para fazer luz sobre múltiplos aspectos da sua passagem meteórica pelo palco da História. A imagem que emerge dos vários estudos recentes, relega a maior parte das alegações propagandísticas à condição de lendas; Hitler possuía uma extraordinária intuição militar e política, um vasto conhecimento de História, quase sempre considerou detalhadamente os pontos de vista que contradiziam os seus, e morreu de plena posse das suas faculdades mentais e físicas, apesar do desgaste nervoso e dos ferimentos recebidos no atentado de ‘44. Esta imagem é bem reforçada por Degrelle, que acentua que o seu declínio e intratabilidade são míticos.

Degrelle conheceu de perto Hitler — que o tratava pelo primeiro nome — nos seus quartéis-generais da frente leste, e narra vários episódios do seu convívio privado. Num deles, reparando no desgaste das botas que Degrelle usava, Hitler vai buscar um dos seus próprios pares de botas, e, ao verificar que Degrelle calçava um número abaixo, estende-lhas despretensiosamente depois de lhes enfiar umas folhas amachucadas do Völkischer Beobachter. Noutro, cruzam-se, Hitler pergunta-lhe para onde se dirige, Degrelle responde que vai à missa, e Hitler, que como se sabe não era muito católico, diz-lhe: «Se a minha mãe fosse viva, acompanhava-o com certeza.»

Os dias do fim

Quando Hitler abandona o mundo dos vivos da forma que escolheu e o círculo de aço russo se fecha sobre os últimos defensores de Berlim, Degrelle sabe bem o destino que o espera se cair nas mãos dos seus inimigos. Gastos os seus recursos financeiros pessoais para ajudar os seus soldados a desaparecer, consegue atingir Copenhaga onde assiste à aterragem dos primeiros aviões ingleses. Daí para a Noruega o seu passaporte é a cruz de ferro com as folhas de carvalho: a sua exibição furtiva perante o pessoal alemão ainda nos seus postos, abre-lhe todas as portas e faculta-lhe os transportes. Depois é a viagem do avião solitário, de onde avista, por entre as trevas, as luzes festivas de Paris.

Para Degrelle, 1945 foi o apocalipse de uma ideia da Europa e a II Guerra Mundial um combate perdido. Como para muitos dos que combateram do seu lado — e do lado contrário — a sua percepção foi a de uma luta de vida ou morte pela sobrevivência dos valores do Ocidente. Que a guerra em si tenha estado na origem da ruptura generalizada de todos os valores, e tenha afundado as nações civilizadas em abismos de destruição e hipocrisia, que não seriam acreditadas no séc. XIX, talvez não lhe tenha ocorrido — como não ocorre aos que, cinquenta anos depois, continuam a promover as mitologias maniqueístas de sinal inverso, herança directa da propaganda de ‘39-‘45.

Das ruínas da guerra, no entanto, a par da bancarrota moral dos governos e dos sofrimentos indizíveis infligidos às populações, alguns monumentos permanentes se erguem: seriam necessários critérios bem estreitos para que os historiadores futuros, debruçados sobre as guerras do séc. XX com a mesma isenção política com que estudamos hoje as campanhas napoleónicas, não reconhecessem, a par do heroísmo e generosidade individuais da batalha de Inglaterra ou da defesa de Leninegrado ou Berlim, a dos combatentes voluntários europeus da frente leste, à cabeça dos quais se encontraram homens e se escreveram epopeias como a de Léon Degrelle.

Nenhum comentário:

Postar um comentário