quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Alain de Benoist - Sete Teses sobre o Terceiro Mundo

por Alain de Benoist



Primeira - O Terceiro Mundo é uma expressão equívoca que deve ser usada com precaução. Designa uma realidade fundamentalmente heterogênea. A definição que se tem dado mais frequentemente dela é de ordem econômica: o Terceiro Mundo estaria formado pelo conjunto dos países pobres, por oposição ao mundo desenvolvido. Mas pode-se também dar uma definição política do Terceiro Mundo. Este reagruparia o conjunto de países potencialmente não-alinhados com as superpotências. Neste sentido, a Europa também formaria parte do Terceiro Mundo.

Segunda - Frente ao Terceiro Mundo (no sentido clássico), a Europa não é culpável de forma particular. Economicamente, a colonização não foi um "bom negócio". Ela tampouco explica o desenvolvimento dos países ocidentais, assim como tampouco explica o subdesenvolvimento dos países do Terceiro Mundo. A responsabilidade da "aculturação" produzida pela colonização não corresponde à Europa, mas a uma ideologia universalista que o Ocidente adotou em um momento específico de sua história e que foi a primeira em sofrer. A colonização é uma página definitivamente liquidada de nossa história. Não há razão para ter, em relação a ela, rancor, culpabilidade ou nostalgia.

Terceira - A aproximação puramente economicista dos problemas do Terceiro Mundo é errônea. Reduz excessivamente o problema: vinculada com a ideologia do "progresso", ela mascara em realidade uma nova forma de colonialismo. Propor aos países do Terceiro Mundo, para compensar seu "atraso", que adotem o modelo ocidental de desenvolvimento, equivale a tomar deles sua identidade, a transformá-los em ocidentais de segunda categoria e, finalmente, a condená-los a um subdesenvolvimento real permanente. A ajuda ao Terceiro Mundo não tem sentido mais que tender a criar in situ condições de desenvolvimento, respeitando as especificidades coletivas e as culturas diferenciadas. O Terceiro Mundo deve ser ajudado a se ajudar, principalmente pela criação de grandes zonas de desenvolvimento "autocentrado". A realização desse objetivo implica o abandono dos esquemas marxistas e liberais dominantes, e a revisão da dogmática do livre-comércio internacional. A produção dos países do Terceiro Mundo deve se orientar prioritariamente, não para exportações destinadas a satisfazer a demanda do "mercado mundial", mas à satisfação da demanda interior.

Quarta - A pobreza dos países do Terceiro Mundo, apresentada atualmente como uma situação de exceção, tem sido até uma época recente o estado normal de todos os países ocidentais. Essa pobreza, apesar de constituir a desdita do Terceiro Mundo, constitui também a oportunidade de não incidir nos mesmos erros que a Europa cometeu, e continua cometendo, sob a influência das ideologias universalistas ocidentais. Os países do Terceiro Mundo tem a sorte de possuir, em geral, sociedades orgânicas ainda vivas. Sem continuar necessariamente com formas tradicionais de existência, devem ser incitados a inventar formas próprias de acesso à modernidade. O Terceiro Mundo deve rechaçar o ideal de desenvolvimento à maneira ocidental e tentar por em marcha modelos originais de crescimento e modernização.

Quinta - A descolonização esta ainda por ser feita. Às formas antigas de domínio se sucederam outras formas novas de colonialismo. A dependência econômica e energética, principalmente, aliena a soberania política dos países do Terceiro Mundo, cujas estruturas sociais se encontram igualmente ameaçadas pela universalização do modo de vida ocidental. A Europa, a este respeito, não está em uma situação muito diferente. Os equilíbrios que a sociedade mercantilista destruiu no Terceiro Mundo, ela começou primeiramente quebrando no próprio seio da cultura europeia, onde se constituiu "sobre" e "mediante" a destruição dos modos de vida orgânicos enraizados. A descolonização, está ainda por se fazer em todas as partes do mundo, tanto no Terceiro Mundo como na Europa.

Sexta - O Terceiro Mundo é atualmente o único lugar onde se pode elaborar, realizar e provar novas formas políticas, quer dizer, formas de terceira via. Thomas Molnar constata com bastante razão: "Não consideramos até agora o Terceiro Mundo pelo que é e será, quer dizer, outro mundo, que não é nem será o Ocidente liberal democrático, nem o Oriente comunista". Unicamente o Terceiro Mundo deu, desde 1945, o exemplo de fórmulas políticas, econômicas e sociais diferentes. Sua debilidade econômica contrasta, nesse sentido, com seu poder político potencial. O Terceiro Mundo deve ser incitado a rechaçar tanto o socialismo marxista quanto o liberalismo ocidental. Frantz Fanon não estava equivocado ao dizer que "o Terceiro Mundo aparece atualmente, frente a Europa, como uma massa colossal cujo projeto deve ser tentar resolver os problemas aos quais a Europa não soube dar solução". O Terceiro Mundo representa uma oportunidade capital de sair do dilema leste-oeste, Oriente-Ocidente, e de preservar assim o futuro da diversidade coletiva humana.

Sétima - Unicamente a Europa tem interesse político no desenvolvimento do Terceiro Mundo. Nas condições geopolíticas presentes, todo país "não-alinhado" do Terceiro Mundo é um aliado potencial da Europa, cuja vocação frente às superpotências não pode ser outra que a de constituir uma "terceira via" e oferecer uma alternativa às ideologias dominantes. O "terceiromundismo" deve receber uma nova definição e um novo impulso. Muito mais que um dever moral ou um imperativo econômico, é para a Europa uma necessidade política vital. A ajuda europeia ao Terceiro Mundo deve ir prioritariamente para os países que rechaçam o alinhamento com os "grandes". Europa e Terceiro Mundo constituem, conjuntamente, potencialmente, uma terceira força. À ajuda econômica da Europa ao Terceiro Mundo deve corresponder uma ajuda política do Terceiro Mundo para a Europa. Os intelectuais de esquerda se voltavam ontem para o Terceiro Mundo para acelerar a decadência da cultura europeia. Nós nos voltamos hoje para ele para que nos ajude a salvá-la.




Um comentário: