sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Onésimo Redondo - O Nacionalismo Não Deve Ser Confessional

por Onésimo Redondo



Dizer que um movimento político é "confessional" significa que este se determina, de modo direto e específico, a hastear a religião como um de seus lemas, a sua defesa como um dos fins característicos do partido.

Neste sentido é que afirmamos que o nacionalismo, concretamente o nacionalismo espanhol, não deve ser confessional. Essa afirmação, se não conflita, de forma alguma, com a doutrina e as normas gerais ou concretas da Igreja, conflita de fato com o parecer de um sem número de católicos aos quais podemos chamar "militantes" ou católicos entusiastas.

Pelo que segue, o nacionalismo espanhol deve ou pode ser anticatólico? A Espanha nacional, a verdadeira, a da história gloriosa, pode ser separada da religião católica?

Já os que assim perguntam pretendem colocar o pensamento nacionalista em uma estreita disjuntiva: se respondemos de forma desfavorável à intenção das perguntas, nos replicarão: "Pois isto não é nacionalismo espanhol!". E se respondemos, como sem dúvida é mais preciso, em conformidade com o sentido das perguntas, arguirá seguidamente o católico receoso: logo, o nacionalismo espanhol deve ser nacionalismo católico, ou seja, confessional.

E eis o erro. Porque podemos reconhecer que a grandeza da Espanha está entrelaçada a sua catolicidade, aceitar que o nacionalismo não pode ser anticatólico, e sustentar, ainda assim, como é nossa tese: "O NACIONALISMO ESPANHOL NÃO DEVE SER CONFESSIONAL, não deve ser nacionalismo católico".

RAZÕES? São inúmeras: impossíveis de situar completamente em um artigo e ademais de tão grande importância e conveniência, a mesma coisa desde o ponto de vista religioso e desde o ponto de vista nacional, que só se explica a discrepância de muitos temperamentos de direita por uma dessas formações impulsivas e rotineiras tão acreditadas e estendidas nos modos políticos do catolicismo espanhol militante.

1 - O nacionalismo, por princípio, e sob pena de extinção, é um movimento nacional totalitário, isto é, encaminhado a dominar na nação por inteiro.

2 - O nacionalismo há de ser, em essência, desde o primeiro instante, popular: com maiores aptidões de popularidade que qualquer partido político.

3 - O povo espanhol, em sua generalidade, compreendendo todas as regiões de nosso território, não possui catolicismo militante. Isso não quer dizer que a maioria da Espanha seja anticatólica.

4 - O nacionalismo disputará ampla e rapidamente a hegemonia das massas operárias com as organizações marxistas: e os operários, em sua maior parte, não são confessionais, não são católicos militantes.

5 - O nacionalismo é um movimento de luta; deve chegar inclusive às atuações guerreiras, de violência, em serviço da Espanha contra os traidores internos. Não é possível, nem conveniente, exercer essas violências políticas com a religião como bandeira.

6 - Como movimento essencial espiritualista, quer dizer, inspirado e baseado em virtudes cívicas, o culto à Pátria, a veneração da própria História, o respeito à hierarquia, a abengação em benefício do povo, a defesa da família cristã, o nacionalismo respeita eficazmente a Religião Católica.

7 - Dizer que não é confessional não significa que o nacionalismo seja neutro. É, precisamente, inimigo declarado das forças que se chamam neutras: liberalismo, maçonaria.

Como há matéria para mais de um artigo, não pretendemos ter esgotado as razões ou proposições que fortalecem nossa tese; deixamos para números sucessivos o desenvolvimento dessas razões. Há muitos jovens que sonham com o fervor nacionalista, que desejam ver feito carne um grande movimento de independência com esse nome, e que formados no seio do catolicismo prático e entusiasta, se encontram preocupados pela tenaz oposição ao nacionalismo, tal como aqui o entendemos e deve entender-se, que é desprovido de uma especial proteção de fé católica.

A muitos deles aconselhamos ler ou reler a conhecida pastoral coletiva dos bispos espanhois, na qual podem aprender tranquilidade e tolerância.

Que recordem concretamente as palavras de Jesus, lembradas nessa carta: "Aquele que não está contra vós, está por vós", e que não afirmem com intransigência mesquinha que está retirado de Cristo o homem ou o partido que não esteja com Ele, mas que tampouco esteja contra os princípios imutáveis de justiça, de honestidade e fraternidade cristãs, regidos pela Igreja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário