quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Textos introdutórios sobre a Quarta Teoria Política


Pré-introdução:


Introdução à QTP:




Elementos Constitutivos (Laocracia, identitarismo e multipolaridade):






Fundamentos epistêmico-políticos:




O levante no Donbass:




A Quarta Teoria Política no Brasil:

Um comentário:

  1. Precisamos acabar com o arquétipo do Rei, aquele ser que detém todo o poder para dirigir nossas vidas assumindo nossas responsabilidades. Este arquétipo se eterniza na figura do presidente, dos ministros, governadores, prefeitos... Acabamos por depositar esperanças e responsabilidades em ombros que na maioria das vezes não têm nem a intenção de fazer o melhor para a sociedade. Não é mais admissível que tenhamos pessoas sem a menor capacitação determinando os rumos de ministérios e secretarias, não podemos permitir que a indicação de tais cargos ocorram por critérios fisiológicos atendendo a interesses pessoais, partidários ou corporativos. Ministérios e secretarias não podem mais ser criados por interesses que não sejam da população. Os professores e demais classes devem lutar por e para esta mudança estrutural. Não estou propondo uma revolução, mas a evolução do poder executivo com consequências no legislativo da seguinte forma: Os ministérios, secretarias estaduais e municipais devem ser definidos com suas atribuições na constituição. Cada ministério e secretaria passará a ser gerido por um colegiado formado por pessoas com formação no objeto fim da pasta que ocupam e eleitos exclusivamente pelos colegas de classe. Exemplo: No Ministério da Educação teremos 27 educadores, cada um representando uma unidade da federação eleitos por educadores. Teríamos profissionais habilitados à frente do Poder (literalmente) Executivo. A presidência será formada por um colegiado a partir de um presidente eleito pelo povo mais um representante de cada ministério. As decisões da presidência deixariam de ser única e exclusiva de um indivíduo. Quais objetivos são visados a partir desta ideia? · Eliminar o fisiologismo e o personalismo. · Garantir a independência entre os poderes. · Reduzir drasticamente a corrupção. · Garantir a capacidade de implementação de políticas de médio e longo prazo possibilitando a continuidade destas. · Possibilitar maior participação da população nas decisões governamentais. · Fazer com que o legislativo volte a somente legislar e fiscalizar. O que acha? Por que continuamos da maneira como estamos se podemos fazer melhor? Esta idéia pode crescer? Abraços.

    ResponderExcluir